A escolha do colchão, assim como a correta manutenção, influencia na qualidade do sono.

Uma noite tranquila de descanso ajuda a reduzir o estresse, a estimular a memória e o raciocínio, a melhorar o humor e até a pele. O que muitas vezes não damos tanta importância é que o colchão é parte fundamental para garantir esse bem-estar. Afinal, é sobre ele que passamos até um terço de nossas vidas e, idealmente, até oito horas por noite.

Uma série de fatores deve ser levada em consideração na busca pelo colchão ideal.

Apesar da crença popular, um colchão muito firme não é necessariamente o melhor, pois pode gerar proeminência óssea, além de desconforto. No entanto, os macios demais podem sobrecarregar a estrutura corporal. Ambos os tipos podem gerar desconforto para os perfis que não são os corretos para cada modelo. O ideal é um ortopédico certificado pelo Inmetro que se adapte às características anatômicas de cada pessoa.

Tipos de colchões

Espuma

É constituído por uma esponja de densidade variável identificada por um valor numérico. É mais indicado para pessoas mais leves ou que dormem sozinhas.

Molas

É mais macio do que os de espuma e foi feito para suportar até 150 quilos, dependendo da categoria e das camadas de tecido usadas na fabricação.

Látex

É maleável e se adapta aos contornos do corpo, sendo o colchão mais utilizado para fins ortopédicos. Impede a proliferação de fungos, ácaros e bactérias, por isso também é indicado para pessoas com alergias.

Viscoelástico

Conhecida como a espuma da Nasa, não exerce pressão contrária ao corpo do usuário, Quando a a pessoa se levanta, o material mantém o formato.

Como cuidar do colchão

1.Certifique-se de que a base que o suporta está adequada

Estrados irregulares, com espaços entre as ripas superiores a 5 cm, com farpas e pregos podem causar danos irreversíveis ao seu colchão. É importante que a base seja regular, livre de pontos de atrito e que auxilie na ventilação constante do colchão.

2. Lave as roupas de cama regularmente

A maioria dos especialistas recomenda que a troca de lençóis não ultrapasse duas semanas. O ideal é realizar a troca de lençóis uma vez por semana e manter a cama sempre limpa e cheirosa.

3. Permita que o colchão respire livremente

Ao trocar as roupas de cama, retire os lençóis pela manhã, deixando o colchão sem roupa de cama durante o dia, e promova a ventilação do quarto, mantendo janelas e portas abertas.

4. Controle a umidade

É importante manter o quarto livre da umidade, que pode provocar fungos e comprometer definitivamente seu colchão ou box com o bolor. Mantenha seu colchão e box afastados da parede e inspecione-os com frequência para verificar possíveis pontos de bolor e agir imediatamente, evitando a proliferação. As causas da umidade são, principalmente, pouca ou nenhuma ventilação, pouca ou nenhuma incidência de sol, incidência de vapor durante o banho e paredes com infiltração. Uma dica é a utilização de um desumidificador de ar.

5. Aspire

Aspirar é uma boa forma de limpeza direta, eficiente e segura. Aproveite a troca de lençóis para realizar a aspiração do colchão, do box, da cabeceira e do quarto. Utilize um aspirador limpo e com pontas macias.

6. Gire e vire

É natural que o colchão apresente acomodação, que é a perda de espessura nas áreas de maior pressão exercida pelo corpo. Para minimizar esse efeito, é ideal realizar o giro a cada 15 dias, nos seis primeiros meses de uso, e depois repetir o procedimento a cada 30 dias. Se o colchão, ou pillow top, é utilizado dos dois lados vire-o também, intercalando com os giros.

Fontes: site Clicrbs;/ Redação Blog Nocta

Imagem: Freepik

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *